Bem-vindo ao nosso site

Este sítio eletrónico da Associação Regional de Administração Educacional constitui-se como um elo da maior importância entre os órgãos associativos e os associados.
Seja bem-vindo à ARAE!
Também todos os que se interessam pela administração educacional têm aqui uma janela, pequena, modesta, mas empenhada nesta matéria.
Aqui veremos notícias que anunciam e que contam as nossas atividades, por aqui pode falar connosco. Queremos através desta tecnologia estar sempre em contacto.
Até já.

Conversas sobre Educação

Sexta-feira, dia 2 de novembro, pelas 20:00 horas, vamos falar sobre o currículo do ensino básico e do ensino secundário, o perfil do aluno à saída da escolaridade obrigatória, a estratégia nacional de educação para a cidadania, as aprendizagens essenciais, a autonomia e a flexibilidade curricular, a abordagem multinível...

A acompanhar a conversa nada melhor que a degustação de umas tapas (queijo, presunto, enchidos ) acompanhadas de vinhos verdes brancos e tintos, maduros, também brancos e tintos, rosés e espumantes. O preço é de 15,00 €.

Se estiver interessado envie um mail para arae.madeira@gmail.com e inscreva-se até quarta-feira, dia 31 de outubro, até às 20:00 horas.

 

Com os melhores cumprimentos, Pela Direção João Estanqueiro

Madeira tem modelo jurídico próprio de organização das escolas

Artigo científico do investigador Eduardo Alves, do CIERL/UMa, foi publicado na e-Pública – Revista Electrónica de Direito Público.

 

Organização das escolas na Madeira. Modelo jurídico próprio?’ é o nome do artigo científico elaborado e a questão inicial colocada por Eduardo Alves, investigador integrado no Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais da Universidade da Madeira (CIERL/UMa), que agora se vê publicado na e-Pública – Revista Eletrónica de Direito Público, a primeira revista de Direito Público portuguesa, de acesso genérico e incondicionado, referenciada em índices científicos internacionais, como a SciELO e a Latindex.

Trata-se de uma revista quadrimestral e gratuita, inserida no movimento global de ‘open source’, publicada pelo ICJP – Instituto de Ciências Jurídico-Políticas e pelo CIDP – Centro de Investigação de Direito Público da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. “Estamos a falar de uma revista com um impacto bastante grande em termos nacionais. A Faculdade de Direito é indexada nos motores de busca e nas plataformas internacionais, o que acaba por ter trazer mais divulgação numa matéria que diz respeito à Região”, indica Eduardo Alves.

Na investigação, olhamos para os 40 anos de autonomia regional, na área da educação na Madeira, e “tentamos descortinar aquilo que se poderá considerar uma visão distinta, ainda que complementar no tempo, da educação e do seu papel na sociedade madeirense, a que vem correspondendo uma visão política e jurídica próprias”, começa por explicar o autor da investigação. A preocupação, no trabalho de investigação jurídico, foi “trazer o conhecimento da regulação assegurada pelo modelo e, particularmente, também os efeitos decorrentes da intervenção jurisprudencial do Tribunal Constitucional neste, já que implicaram a fixação de um entendimento sobre os limites da autonomia educacional da Madeira, após a regionalização”.

Em termos de leitura que pode ser extraída a partir deste estudo, Eduardo Alves explica ao DIÁRIO que “existe consistência, neste momento, para podermos afirmar que existe um modelo [jurídico de organização das escolas na Madeira] que se diferencia do nacional”.

O investigador abordou várias dimensões neste estudo, que se ligam, por exemplo, às questões dos órgãos/estruturas: “temos órgãos que não são iguais aos do modelo nacional e hoje a diferenciação no órgão de direção é bastante grande”.

Por exemplo, na Madeira “temos um órgão colegial ou unipessoal por opção da própria escola, enquanto que o modelo nacional impõe a existência de um diretor”. Depois, também existem questões que têm a ver com a própria organização. “A nível nacional, existem agrupamentos de escolas e nós [escolas da Madeira] não temos esses agrupamentos, e também existem contratos de autonomia que o nosso modelo não prevê”. Indo mais além, Eduardo Alves refere que “em termos da própria comunidade, existe uma perspetiva de Conselhos Municipais de Educação que não temos acolhidos no mosso modelo”, sendo este um conjunto de características analisadas no estudo e que fazem a afirmação da diferenciação do modelo jurídico da organização das escolas na Madeira.

 


 

 

 

Translate
EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified

Notícias

Coversas sobre Educação

29-10-2018 20:23
Sexta-feira, dia 2 de novembro, pelas 20:00 horas, vamos falar sobre o currículo do...

Assembleia Geral

27-05-2018 22:48
Boa noite caros associados da ARAE. Convocatória do presidente da mesa da assembleia geral, Dr....

ARAE citada em publicação Internacional

31-01-2018 16:20
Informam-se os associados da ARAE que o nome desta associação foi citado num texto de Licínio Lima,...

Conversas sobre Educação

13-01-2018 19:52
Realiza-se no próximo dia 29 de janeiro, pelas 18 horas, na Escola Secundária Francisco...

Conversas sobre Educação

29-12-2017 13:49
Na sequência do plano de ação sufragado na nossa última assembleia geral, gostaria que marcassem...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

ARAE na Imprensa

RTP Madeira

12-02-2015 01:37
Notícia no Telejornal Madeira de 10 de fevereiro de 2015 

Jornal da Madeira

10-02-2015 20:42
10 de fevereiro 2015

Diário de Notícias

09-02-2015 21:40
9 de fevereiro de 2015                 4 de fevereiro de 2015                   9 de novembro de 2014